fbpx
A batalha diária contra a resistência

desenvolvimento pessoal post

A batalha diária contra a resistência

Carol Tomazetti
Escrito por Carol Tomazetti
baixe aí gratuitamente :::

Produtividade para Criativas e Empreendedoras - o guia completo | ebook

a batalha diária contra a resistência

Vou começar meu blog!

Vou escrever meu primeiro post.

Vou fazer um stories pro insta.

Vou gravar o meu primeiro vídeo.

É só começar a pensar nas tarefas criativas e logo começa a batalha da resistência na sua mente. Liga o som para entrar no clima:

É só pensar em começar alguma coisa e ela vem com tudo te dar um soco na sua cara:

Quem é você para ter um blog?

Quem você acha que é para escrever alguma coisa?

Você acha que alguém vai ler o que está dizendo?

É sério que você acha que tem alguma coisa para fazer diferença nesse mundo e na vida de alguém?

Jura que vai fazer esse vídeo ridículo?

Basta um pensamento deles e a mente se encarrega de mandar mais um batalhão desse tipo. E cada um deles te dá um murro no meio da sua testa.

Se acontece isso com você, relaxa. Não tem nada de errado com você E já pare com essa infame ideia de que tem algo de errado com você.

Essa é a chamada famosa resistência.

Eu a conheci através da A guerra da arte de Steven Pressfield.

Se você se vê criticando as outras pessoas, você provavelmente está praticando a resistência. Quando vemos as outras pessoas vivendo as suas vidas de forma autêntica, isso nos deixa loucos se nós não vivemos as nossas próprias.


Steven Pressfield

Eu estava tendo essa guerra mental todos os dias. Todo santo dia.

Eu sou um ser esquisito e criativo por natureza e a parte que ninguém fala é que a parte mais difícil da criação é sentar a bunda na cadeira para criar. Porque, quando eu começo a me condicionar para tirar o que está na minha cabeça bombando para se divertir fora de mim, começa a batalha que descrevi logo acima.

Essa batalha se dá entre eu e a minha resistência. Ela é sempre épica, como nos filmes. Um lado do bem e do mal dentro da minha própria cabeça. A nossa parte geniosa é dita divina, nosso lado puro de ser, sagrado, aquele que te faz ser único neste mundo.

Como somos seres duais, ao lado da luz sempre existe uma sombra. A sombra do gênio é a resistência.

A resistência é uma força do mal (hahahaha), uma força que repele, que te desafia, que te distrai de fazer o seu trabalho. Às vezes, ela aparece com a máscara de procrastinação, eu ainda acredito que é a mesma coisa. Você está resistindo de produzir, daí você decide passear um pouquinho pelo facebook e se deixa ser levado por essa força oposta da sua criação.

Outro nome para a resistência pode ser autossabotagem. Você entender onde quero chegar, né?

Ela não é uma força externa, não é a opinião de alguém, não é algo em que você pode colocar a culpa. Ela só existe dentro de você e ninguém pode ouvi-la porque o lugar mais seguro deste mundo é a sua mente. Ninguém consegue escutar os gritos que estão acontecendo internamente.

Você pode querer culpar a sua falta de dinheiro, ou a ausência do sucesso:

Quando eu tiver dinheiro, não vou ter mais esse problema!

Quando eu for famosa e todo mundo conhecer meu trabalho, vai ser mais fácil.

Quanto engano. Como é bom nos enganar.

E colocar a culpa no dinheiro, só faz ele ficar longe de você porque se ele é tão ruim assim, as fadas não vão deixar que ele fique perto de você. Você sabe né?

Só existe amor nesse mundo. Tudo o que você tem a percepção no fundo da sua alma de que é bom vai chegar com facilidade, graça e leveza até você. O que você considera ruim, por tão grande amor, não chegará perto de você.

Quando você for famosa, talvez sua resistência seja até maior porque maiores são os desafios de manter o nível da qualidade e de criação.

Não se engane. Você pode procurar quantos culpados quiser. E colocar a culpa em alguma coisa só faz te perder a guerra porque você deixa de combater o seu inimigo.

A batalha é diária

A metáfora aqui é sobre correr. Você já correu na sua vida por prazer ao esporte? Eu já.

No início, meus pés doíam. Minhas pernas pediam socorro.

Todos os dias a maior batalha era na hora de colocar o tênis. Eu olhava para ele e ele olhava para mim.

E agora? Continuar escrevendo ou ir correr?

Se eu correr, posso ter mais energia e stamina mental para escrever.

Se eu continuar escrevendo, vai ser mais divertido que correr.

E assim começava a batalha mental entre eu e a resistência da corrida. Antes de começar a batalha eu sempre já sabia quem era o vencedor.

Quanto mais eu corria, mais energia eu tinha, maior era a batalha entre a diversão e a corrida. Ficar mais condicionada para correr não fazia mais fácil vencer a guerra contra a resistência.

Saca?

A dúvida interna é resistência?

Não, a resistência é do mal. A sua dúvida interna pode ser do bem, pode ser um reflexo da sua aspiração. Ela reflete o amor que você está querendo colocar para fora, o amor do seu sonho, o amor da sua criação.

O mesmo vale para o medo. O medo não é ruim, se você pensar pelo lado de que ele pode ser um indicador. Ele te mostra a direção que você deve ir. É que dá um frio na barriga mesmo.

Você pode paralisar ou pode encarar. Se decidir encarar, o seu medo é um ótimo combustível. Siga na direção dele. Se decidir paralisar, bom também. Você já sabe na direção que deve ir.

A sua resistência também pode vir na forma de racionalização. Para mim não vem. Mas eu identifico na hora quando começo a escutar.

A resistência não quer que você vá. Então, ao invés de mostrar o medo, ela te mostra a racionalização, o que te impede de fazer o seu trabalho.

Ela traz uma série de justificativas racionais te explicando o porquê que você não deveria criar o seu trabalho. Ela traz um monte de fatos e de explicações, que você adora porque você é uma pessoa muito racional, não é mesmo?

Na mais escura das cavernas, existe a luz que tanto está procurando.

E a musa da criatividade?

Elizabeth Gilbert chama a musa de Grande Magia. Ela conta que se você não pegar a musa quando ela aparece para você, ela vai logo procurar outra pessoa que possa dar luz a ela.

Pois bem… quando a musa aparecer trate de colocar a bunda na cadeira e dê luz a ela.

Coloque a bunda onde seu coração gostaria de estar.

Vai ter guerra? Vai.

Vai dar medo? Vai.

E se você não fizer?

E se não der luz a sua musa?

E se você continuar a sua vida do mesmo jeito todos os dias?

Podem até existir um milhão de coisas criadas nesse mundo. E nenhuma delas foi criada por você, com a sua forma, com a sua perspectiva.

Acredite, a sua voz tem importância nesse mundo.

Você é importante!

Qual é a solução para combater a resistência?

A solução é sempre sentar a bunda na cadeira. Senta e trate de colocar a sua bunda onde seu coração quer estar. E faça isso todos os dias, como se fosse um trabalho a ser feito.

Essa decisão deve ser feita todos os dias de forma automática.

Se parar para pensar, você já perdeu a guerra.

Se você continuar esperando a musa chegar para começar, ou esperar a inspiração, ou a melhor hora para fazer, você já perdeu a guerra. Porque você está agindo como um amador.

Amador é aquele que sobe no ringue da guerra descalço e sem proteção. E ainda acha que ele vai dar conta do gigante da resistência dentro do ringue. Só do gigante olhar para você, você já perdeu o combate.

Vencer essa guerra todos os dias é começar a levar a sério a sua produção. Da mesma forma da corrida, é levar a sério a corrida.

Não existe a pergunta: será que vou correr hoje?

Se você olhar pro tênis e se fazer essa pergunta, você já perdeu.

É se considerar um pro e pegar o tênis e sair correndo. Quando chegar, deixar tudo pronto para amanhã. É como eu disse: você tem que arrumar as condições para não pensar.

Pensou, perdeu.

Começar a levar a sério a sua produção, o seu processo criativo, seus vídeos, suas escritas é que faz ganhar essa guerra. É amar incondicionalmente para se dedicar por completo a essas atividades. Isso é ser um pro.

A resistência odeia quando nos tornamos um pro.

Steven Pressfield

Interessantemente, quando você senta a bunda na cadeira todos os dias, a musa vem, a inspiração vem, o crescimento vem… Não é esperar para começar.

É começar antes de estar pronto. É na caminhada que tudo se encaixa e se transforma.

Eaí,

qual o conhecimento que você vai levar para ação? Me conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *